Resenha: BattleStar Galactica - A Série

(4 votos, média de 5.00 em 5)

 

Os cylons foram criados pelo homem.

Eles se rebelaram.

Eles evoluíram.

Eles parecem e se sentem humanos.

Alguns foram programados para pensar que são humanos.

Existem muitas cópias.

E eles têm um plano.

 

Bem, senhores leitores da Irmandade, hoje resolvi “falar” um pouco sobre a série americana Battlestar Galactica e, sei perfeitamente, que a mesma já datou há algum tempo. Parece até que eu tenho uma atração por resenhar filmes já datados (vide Deixe-me entrar), mas não resisti de discorrer sobre esta série que só há pouco tempo tive acesso, e olhe que ainda estou na metade da mesma. 

Muito bem, comecemos assim: eu era fã daqueles seriados americanos que passavam nas tardes gostosas de minha adolescência, todas regadas de um bom café e bolinhos de banana feitos na frigideira por mamãe, ô saudade matadeira. Então, eu assistia embevecido “Viagem ao fundo do mar”, “O Túnel do tempo”, “Jornada nas Estrelas”, “Robô Gigante”, enfim, enlatados feitos na década de 60 que pipocavam nas grades de programação da televisão dos anos 80.

O tempo passou, o gosto mudou, as séries também (ruins de doer). Lembram do multifuncional MacGyver (Magaiver)? O cara era um fenômeno do improviso científico, pois com apenas um tablete de chocolate no bolso e a própria saliva conseguia estancar um vazamento radioativo e ainda brigava com meia dúzia de vilões! Pois é, acabei perdendo o interesse pelos seriados. Mas o cenário mudou, pelo menos pra mim, há coisa de 2 anos por dois motivos: consegui finalmente bancar uma Internet banda larga decente e a pasmaceira que se encontra o cinema hoje em dia. Sim, é verdade, os seriados americanos, em termos de criatividade e dinâmica, estão dando aula aos roteiristas de cinema, mas este assunto vai longe e caberia bem em outro artigo.

Então, por estar fora do assunto e pra não perder viagem, pesquisei bem e decidi “baixar” uma série completa, destas mais “atuais”. O sistema de pesquisa foi de modo pouco científico, reconheço. Apenas digitei no google “As 10 melhores séries da última década”, focando em algo feito de 2000 pra cá. Daí, “A família Soprano” e “Battlestar Galactica” estavam na maioria dos vários blogues (dos sofríveis aos mais especializados) que sustentavam esta proposta. Como gosto demais de Ficção Científica, optei por BSG para investir alguns dias de download e eu não me arrependi. Acabei tomando gosto novamente por este formato de entretenimento.

Vamos a ideia básica da sinopse que rege as 4 temporadas e outros tantos web episódios feito para alavancar a pausa entre as mesmas, mas pra isso vou usar trechos relevantes da Wikipédia: Battlestar Galactica é uma franquia já conhecida e, apesar de eu não tê-la visto naquela fase dos anos 80, a sua primeira produção já data de 1978, no rabo da fama de “Guerra nas Estrelas”.
 


Na época em que se discutia o livro Eram os Deuses Astronautas?, com o surgimento da explosiva saga Star Wars, a rede de TV americana ABC lançava a série de ficção científica Battlestar Galactica (que no Brasil, foi chamada de: Galáctica, Astronave de Combate), em 1978. Ela faz alusão às velhas civilizações dos egípcios, dos maias, dos incas, dos astecas e outras tantas, que poderiam ter sido descendentes de seres espaciais. O enredo do seriado sugere que esses seres humanos "que até hoje lutam pela sobrevivência em algum lugar do espaço" seriam os antepassados dessas antigas civilizações.

Uma nova versão do primeiro episódio do seriado original foi levada ao ar em 2003, obtendo novo êxito e justificando a produção de um seriado que teve sua primeira temporada em 2004 e cuja produção terminou em 2009.

Segundo a série, os humanos surgiram em um planeta distante chamado Kobol, em um passado longínquo. Com o tempo, esse planeta não pôde mais suportar a vida e os humanos, organizados em treze tribos - sendo que uma se perderia das demais (insinuando que esta seria nossa cultura atual) -, tiveram que procurar outro planeta, em outro sistema solar. Milhares de anos depois de estarem instalados em novas colônias, com a evolução, a tecnologia avançou muito e a inteligência artificial usada pelos humanos ganhou status de forma de vida e consciência própria, se revoltando contra seus criadores por achar que estes não davam valor à sua existência. Os Cilônios (assim chamados em português), acreditavam em um Deus único (monoteísmo) e os Humanos em vários (politeísmo), causando conflito entre suas culturas. Os Cylons então executaram um plano de destruição em massa que reduziu a Humanidade (cerca de 12 bilhões de pessoas) a alguns poucos milhares de sobreviventes. Sem alternativas, esses sobreviventes decidiram, sob a liderança do Comandante Adama, procurar por uma lendária décima terceira tribo, que havia deixado Kobol antes das outras doze e havia se dirigido "a um planeta brilhante conhecido como Terra".(fonte Wikipedia)





Como se pode perceber, pra quem gosta de FC, esta sinopse é um tira-gosto dos mais apreciados e ela me conquistou também. Vocês não fazem ideia da quantidade de informação que tem na Internet sobre esta série e, caso seja do interesse, não haverá o menor problema em conseguir mais detalhes. Portanto, vou me ater daqui pra diante no que diz respeito as minhas impressões pessoais, mesmo que elas sejam baseadas nas duas primeiras temporadas que assisti até agora (os web episódios e as 3ª e 4ª temporadas serão devoradas brevemente).

Battlestar Galactica simplesmente é show de bola!  

Não vou ousar dizer que é uma das melhores séries entre as 10 mais de todos os tempos, como muitos fãs de FC apregoam, porque não sou expert no assunto, uma vez que, das “atuais”, minha experiência restringe-se apenas ao drama pós-apocalíptico de zumbis “Walking Dead” e as intrigas palacianas de “Games of Thrones”, ambas, também, nada fracas em termos de qualidade nos seus respectivos temas. E, ademais, os enlatados dos anos 60, alguns bem toscos como “Perdidos no Espaço”, por exemplo, não são parâmetros muito confiáveis para sustentar tal heresia. Mas digo, com convicção, que vale a pena assistir esta série.

Vou tentar explicar mais detalhadamente os porquês desta empolgação. Depois de 50 anos em Stand by, os Cylons quebram a paz com os seres humanos de modo bem radical, conseguindo quebrar o sistema defensivo de Cáprica, o habitat natural do homem no contexto futuro de tempo e espaço (com trocadilho) e, simplesmente, devastam o planeta com uma chuva de bombas atômicas. Cerca de 49.000 sobreviventes conseguem fugir espalhados em dezenas de espaçonaves capitaneada pela gigantesca e arcaica Galáctica, conduzida com mãos de ferro pelo capitão Adama (Edward James Olmos).

Como a força dos Cylons é esmagadora e tecnologicamente mais avançada, em muitos capítulos vemos a frota de espaçonaves, liderada por Adama, fugir através de hipersaltos no espaço com os inimigos sempre no encalço deles.  Pois é justamente entre estes saltos de fuga que ocorrem os dramas, as intrigas, as dúvidas existenciais, os vícios, as questões religiosas, as artimanhas políticas, o valor da amizade, a loucura potencial, as questões morais, mágoas entre pais e filhos e tudo que venha a se relacionar com as vicissitudes boas e ruins da espécie humana refletidas nas ações de seus principais personagens, incluindo neste imbróglio de sentimentos os próprios Cylons. Está bem aí o diferencial que faz desta série algo há mais do que simplesmente batalhas espaciais vistosas e efeitos especiais de respeito, dada à devida consideração dos padrões televisivos. Coisa de fino trato, como costumo dizer.

Esta dosagem bem acertada e envolvente entre ação e drama em que estão mergulhados grande parte dos seus personagens, tão verdadeiramente reais, embora seja um entretenimento de ficção, é que atrai você pra assistir o próximo capítulo. Algumas vezes o cidadão fica ansioso pra saber como Adama vai escapar de um cerco de naves cylônicas em condições totalmente adversas e, outras mais angustiantes ainda, é querer saber como determinado personagem vai reagir a uma situação corriqueira que pode acontecer com qualquer um como, por exemplo, a perda de um ente querido, a perda da mulher amada para outro homem, saber que aquela pessoa não era o que você pensava, a traição de um amigo a quem você confiava totalmente, saber ser portador de uma doença incurável, enfim, identificações muito próximas de comportamentos humanos em meio a uma ficção exacerbada nos limites da imaginação.

Os episódios de Battlestar Galactica não são fechados, não se encerram em si mesmos. Há uma sequência de situações em que cada capítulo os roteiristas vão jogando ramificações para os seguintes de tal modo que você mal acaba de ver um e já quer ver o outro e outro até fechar um ciclo, uma pausa, que, ainda sim, te deixa querendo mais, totalmente preso na rede que eles te jogam.

A única ressalva que faço a série como um todo vai bater bem no ponto nevrálgico da própria, pois passa por esta identificação de sentimentos reais, diz respeito a espinha dorsal de sustentação de tudo que você vê e sente: a aceitação da natureza dos cylons, pois dependendo de como você os recebe ou você vai amar ou largar a série nos primeiros capítulos. Em verdade, é preciso absorver a idéia dentro das regras ficcionais as quais se está inserido como espectador, isto no que concerne a exacerbação da ficção. Por quê?

Explico.

Há dois tipos de Cylons: os de natureza bruta, estruturais, verdadeiros robôs de guerra, máquinas de metal que se encarregam do trabalho sujo de exterminar humanos. E há os cylons que são diversas cópias perfeitas de uma dúzia de “modelos” de seres humanos. E tão perfeitas são estas cópias que, algumas delas, sequer desconfiam que são cylons adormecidos pronto para despertarem em condições favoráveis em parte de um plano de dominação e exterminação. Elas foram infiltradas no planeta bem antes de ele ser devastado e, por conseqüência, algumas destas cópias fazem parte da frota de sobreviventes, inclusive em meio à tripulação da própria Galáctica.


O que é mais difícil de engolir é que num ambiente de tão alta sofisticação os cientistas e médicos não conseguem identificar as cópias cylônicas, mesmo com rigorosos exames de sangue, ou seja, as “Torradeiras”, muitas vezes, mais humanas do que, até mesmo, os próprios humanos na esfera psicológica também o são na parte física: eles choram, sagram, sentem dor, se apaixonam, são vulneráveis tanto quanto a matriz de que se espelham, enfim, não há como saber quem é quem. Leia, por exemplo, um diálogo entre uma Cylon e o Capitão Adama, ele sabendo que ela não é humana, num dos episódios da 2ª temporada que me chamou a atenção:


Capitão Adama: — Eu lhe chamei aqui para descobrir por que os cylons nos odeiam tanto.
Mulher cylônica: — Eu não tenho certeza de que sei como responder isso. Quero dizer, ódio pode não ser a palavra certa.
Capitão Adama: — Eu não quero discutir semântica com você. Eu só quero saber por quê?
Mulher cylônica: — É aquilo que você disse na cerimônia...antes do ataque quando a Galáctica estava sendo retirada do serviço. Você fez um discurso que soou como... se não tivesse sido aquele que você tinha preparado. Você disse que a humanidade foi uma criação falha. E que as pessoas ainda matam umas as outras por motivos insignificantes, inveja e ganância. Você disse que a humanidade nunca se perguntou por que merecia sobreviver... e, talvez, vocês não devam.

 


Você, leitor, Percebe o nível de reflexão que a série faz você bater cabeça de um lado e ter que aceitar uma mente tão artificialmente humana de compreender mais até do que os próprios humanos, do outro. Por isso é mais fácil aceitar uma nave de guerra como a Galáctica, por exemplo, num futuro distante do que aceitar algo tão perfeito como as cópias cylônicas-humanas. Aceitando a natureza incrivelmente camaleônica dos cylons e as regras internas que se determina dentro do seriado, você tem boas horas pra se entreter e refletir com um excelente seriado.

Gostaria de me estender por outros temas como a religião, a amizade, a hierarquia, a inveja, o preciosismo, a lealdade, o amor, a loucura, a esperança, o ódio, a prepotência, a política, a tirania, e outros tantos temas que são evocados de modo muito particular no enredo entre os humanos e humanos e os humanos e cylons. Gostaria, também, de me estender no perfil psicológico dos diversos personagens incríveis de Battestar Galáctica, mas, pelo visto, já “falei” demais. Fica aqui, pra fechar a conta, apenas um conselho: quem quiser se aventurar neste seriado deve pesquisar a filmografia, iniciar pelo filme piloto de 2003 e seguir adiante. Evite entrar em blogues dos entusiastas da série, pois eles entregam muita coisa, quem são os cylons adormecidos, por exemplo, que acabam estragando boa parte das reviravoltas e surpresas do enredo bem tecido.

No mais, é isso. Até a próxima.

 


Comentários   

#16 Lucile » 18-08-2014 19:45

Every weekkend i used tο ppay a visit this weƄsite, beecause i wisɦ for enjoyment, for the reason that thiѕ this
site conations rеаlly faѕtidious fսnny data too.



Heere is myy websіte - Jasa Konsultan: http://smart-consultant-indonesia.com/
0 +−

Lucile

#15 Kayleigh » 10-08-2014 03:09

Relevancy: Your keyword, your text ad, and the content you have on your
landing page have to all be the same topic. In most cases,
advertisers don't pay anything unless their ad appears and someone clicks it.
The success of any website does not rely entirely on the site itself.


Feel free to visit my weblog jasa pasang google adwords: http://www.youtube.com/watch?v=gCAHcFf2o-s
0 +−

Kayleigh

#14 Nan » 11-07-2014 11:14

If some one wishes to be updated with latest technologies afterward he must be
pay a quick visit this website and be up to date everyday.
www.alltip.net

Also visit my blog ... skin care advice: http://alltip.net
0 +−

Nan

#13 Hassie » 17-06-2014 17:13

It is pеrfect tіme to make som plan for the future and it is time to be happү.
I have read thіs post and if I could I want to suggest you some interesting thingѕ oг tips.
Maybee you couuld write nexdt articles referring to this article.
I desire tо read even more things about
it!

Here is my weblog ... minilien.fr: http://minilien.fr/a0ok0n
0 +−

Hassie

#12 Mateus Costa » 05-06-2014 16:48

Sou grande fã de ficção científica, e BSG é simplesmente fantástica.

Tive a oportunidade de acompanhar o lançamento dos episódios, desde 2003 até 2009.
Consegui fazer um amigo, que não gostava de ficção científica, a assistir a serie toda e vira fã desse genêro.

Recomendo que quando acabar BSG, veja a serie spin-off chamada Caprica. Nela você realmente entende a origem dos Cylons.

So say we all...
0 +−

Mateus Costa

#11 Chandra » 27-05-2014 04:16

I liƙe the helpful info you prtovide in your articles.
Ι will bookmark your bloց and check again herе fгequently.
I am quite sure I will learn lots off new stսff right here!
Best of luck for tҺhe next!

Look at my page compro oro usato roma (Chandra: http://www.kibontuning.com/upload/member.php?u=5801-VMcComas)
0 +−

Chandra

#10 Antony » 25-05-2014 05:56

An intriguing dscussion is worth comment. I believe that you need to write more on this subject, it maay not
bee a taboo subject but usually people do not speak about such topics.
To the next! Many thanks!!

my site :: alplist.com: http://alplist.com/story.php?id=1468530
0 +−

Antony

#9 Janell » 21-05-2014 03:04

I do not drop a leave a response, however after browsing
through some of the remarks on this page Resenha:
BattleStar Galactica. I do have a couple oof questions for you if you do not mind.

Coulod itt be only me or does it seem like some of these responses come across like they are
written by brain dead folks? :-P And, if you are posting at other places, I would like to
follow you. Could you list of all of all your social networking sites like
your twitter feed, Facebook page or linkedin profile?


Feel free to visit my blog; crafting skill - Janell: http://Manfredoprezioso.Blogs.Experienceproject.com/3312296.html,
0 +−

Janell

#8 Alessandro » 13-11-2012 12:55

Mandou bem !

A trama psicologica dos personagens é o ponto forte que faz toda a diferença entre outras séries de ficção. :D
0 +−

Alessandro

#7 Marcos » 01-09-2012 23:25

E aí Maurício, tudo bem?

Você poderia me dizer se a NETFLIX retirou do ar a serie completa da Battlestar Galactica. Estava assistindo o 8 capitulo da 2a temporada.
0 +−

Marcos

#6 rajeev » 26-04-2012 10:12

nice psot :lol:
0 +−

rajeev

#5 Samir Fabiano » 09-04-2012 15:04

Saudações Afonso Luiz Pereira a todos os leitores,

A franquia de BSG é fantástica, mas a New BSG (nova série) e mais especial ainda. Toda analogia aqui nesta resenha é cabível e condiz com o que se passa na série! Recomendo BSG a todos....

Obs. Sr. Afonso Luiz Pereira não deixe de ver o mais rápido a 3º Temporada e a 4º Temporada (volume 1 e Volume 2), por que você vai ficar mais intrigado e surpreso com o final da série. :) Parabéns e Obrigado pela bela resenha.

So say we all... (Assim dissemos todos...)

Samir Fabiano
Fã Clube Battlestar Galactica Brasil
www.bsgbrasil.com.br
0 +−

Samir Fabiano

#4 Elsen Filho » 09-04-2012 14:35

BSG é para mim uma das melhores já produzidas.

A SicFi, que é ótima, é apenas o atrativo para lhe prender numa teia de relações e emoções humanas. Recomendo.
0 +−

Elsen Filho

#3 Emerson Pimenta » 08-04-2012 16:34

Sempre ouvi falar tão bem desse seriado!
Está na minha lista a muito tempo, agora subiu mais um pouco hehehe
+1 +−

Emerson Pimenta

#2 DeDGarel Kanih » 07-04-2012 09:36

Excelente texto!
Quando assisti o piloto não sabia nada sobre a história [a versão de 70 ou a de agora] e enquanto lia o texto fui lembrando exatamente as impressões que tive na época. A série tem ótimas sacadas, reviravoltas e socos na cara que te fazem pensar sobre dezenas de temas que sempre são analisados de maneira superficial e sem criatividade.

Essa série tem um um algo que vi em poucas das centenas de coisas que já li/assisti neste período de vida: Você se envolve na história, vicia e não quer perder nenhum episódio... então um belo dia se dá conta que é uma história de Ficção cientifica... Ou seja, a qualidade da produção é tão boa que transcende o próprio gênero... não é só um bando de homens em roupas coloridas falando sobre dobras espaciais e cristais de lítio enfrentando fantasias de monstros de borracha [nada contra, contra quem curte isso - estou apenas citando].

A segunda e a terceira temporadas são [pra mim] o auge da história.
Existe um Spin-Off da série chamado Caprica - que conta a origem dos Cylons, até vale apena assistir depois de terminar a BsG: #FikDik.
+1 +−

DeDGarel Kanih

#1 Mauricio Campos » 07-04-2012 01:47

Muito bom o texto, eu sou fã de Mary McDonnell, a presidente, principalmente por causa da série "The Closer", que para mim é a melhor série de todos os tempos. A Mary vai segurar as pontas como protagonista na continuação do seriado, que irá se chamar Major Crimes.
+1 +−

Mauricio Campos

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Você está aqui: Resenhas Filmes Resenha: BattleStar Galactica - A Série